João Derly mostra suas propostas em último debate televisionado do primeiro turno

João Derly mostra suas propostas em último debate televisionado do primeiro turno

O último debate televisionado, do primeiro turno, das Eleições 2020 em Porto Alegre, foi promovido pela RDC TV e pelo LIDE RS (Grupo de Líderes Empresariais). O evento ocorreu no Salão Mercosul do Hotel Shereton e teve a participação de nove dos 13 postulantes à administração municipal. O embate teve duas horas de duração e a mediação do jornalista Guilherme Macalossi. Empresários do LIDE compuseram a plateia, sempre seguindo os protocolos sanitários de saúde, incluindo higienização e distanciamento.

João Derly, candidato a prefeito pelo Republicanos, iniciou sua participação indagando Fernanda Melchionna (PSOL) sobre a implementação do auxílio emergencial caso fosse eleita. Diante da resposta da candidata, João levantou a dúvida se essa não é uma maneira de estimular a dependência da população em relação ao Estado. “Todos merecem ter sua liberdade e sua independência financeira. Temos proposto algo parecido com a Favela Holding, para que a economia gire dentro da própria comunidade. O lema é ‘favelado compra de favelado’, deixando a riqueza circular localmente”, explicou. Derly acrescentou dados de uma pesquisa da fundação Perseu Abramo, mostrando que o favelado é quase um liberal, pois ele quer saúde, educação e segurança do Estado para poder agir com liberdade nos outros setores.

Ainda no primeiro bloco, João Derly respondeu a Gustavo Paim (PP) sobre a recuperação da crise trazida pela pandemia. “A retomada econômica é fundamental e nós temos apostado muito no turismo, pela vocação enorme que temos no turismo esportivo e cultural. Muitas pessoas habilitadas querem ajudar a cidade a se desenvolver, trazendo eventos que podem gerar renda e recuperação”, respondeu. O candidato do Republicanos acrescentou, ainda, que enquanto esteve à frente da Secretaria de Esporte e Laser, organizou ação juntamente com as federações esportivas para a realização de eventos que movimentassem a máquina, prestando serviços que geram impostos e aquecem o turismo. Quando perguntado sobre investimento tecnológico, João destacou que é um entusiasta do tema. “Acreditamos que com a tecnologia possamos melhorar os serviços da cidade, desde zeladoria até liberação de alvarás, com mais agilidade e baixo risco. Trabalhamos com uma start up que estimula o período de 6 meses a um ano para entregar um app para acelerar esses processos”, disse.

O segundo bloco, novamente debatendo com Gustavo Paim, João Derly falou sobre a pandemia, especialmente no que diz respeito ao diálogo e sobre a forma de condução da cidade durante a pandemia ocasionada pela coronavírus. “O diálogo é fundamental. Uma administração precisa dar exemplo e o exemplo é saber liderar e ouvir todos os setores. Tivemos uma administração que governou por decreto e cujos critérios científicos utilizados, não sabemos de onde vieram”, destacou Derly. “Enquanto o mundo inteiro mandava usar máscara, o secretário da saúde dizia que não tinha comprovação científica sobre a eficácia deste ato. Falar de obra pronta é fácil, mas observamos que foram aportados pelo Governo Federal R$260 milhões, mas utilizados apenas R$110 milhões. O restante onde ficou? Poderia ter sido utilizado na testagem em massa, mapeando a circulação do vírus e evitando um grande número de possíveis contaminações” salientou. João lembrou que ninguém tinha ainda lidado com uma pandemia, por isso o diálogo se fazia fundamental na condução da cidade. “Saúde e economia devem andar lado a lado e não foi isso que ocorreu em Porto Alegre”, recordou.

Finalizando o bloco, João Derly solicitou que Fernanda Melchionna apontasse suas diferenças com outras candidatas de esquerda das eleições e a candidata preferiu não falar sobre quem estava ausente do evento e apontou o porquê de se intitular como nova esquerda. O candidato observou que partidos esquerdistas já fizeram diversas passagens pela administração da Capital e deixaram marcas bastante negativas. “A esquerda esteve durante um bom período à frente da cidade de Porto Alegre e vimos que às vezes a ideologia falou mais alto que a população. Não é preciso negar as origens políticas, mas sim ter como prioridade as políticas e os serviços públicos para atender à necessidade das pessoas”, afirmou.

O terceiro bloco teve perguntas formuladas pelos empresários presentes na plateia. João Derly foi contemplado, tanto na resposta quanto no comentário, sobre a posição da administração municipal diante de uma nova onda de COVID-19, prevista para 2021. “Para conter uma próxima onda de coronavírus vamos iniciar com campanhas educativas, ensinando a população sobre como se portar diante de uma pandemia, trabalhando com educação, diferente do que vimos na atual administração, fazendo propaganda da própria gestão”, comprometeu-se João Derly. O candidato afirmou que trabalhará com as testagens em massa, fundamentais para saber a circulação do vírus. “Temos o exemplo da Coréia do Sul, que estavam preparados para a chegada da pandemia e com a testagem em massa conseguiram controlar a propagação do vírus”, citou. Além disso, o candidato pretende investir na reabertura dos hospitais, diferente do que a prefeitura fez, dizendo que a alta complexidade não era responsabilidade do município e sim do estado. “Vamos criar um Fundo para nos precavermos frente a eventos com a Pandemia de coronavírus. A prefeitura deve dialogar e respeitar os protocolos sanitários dos órgãos de saúde, mas as decisões não podem ser precipitadas, por isso falamos tanto em diálogo. O varejo, que foi muito afetado com a pandemia, não teve oportunidade de trabalhar. Vamos tratar as pessoas com respeito e ouvir a todos”, assegurou.

João Derly encerrou sua passagem pelo debate agradecendo a parceria de seu candidato a vice-prefeito, Delegado Fernando e fazendo um resumo para as perguntas elaboradas pelos empresários do LIDE, presentes no evento. “Obrigado, meu amigo, pela parceria de aceitar comigo esse desafio e me despeço utilizando justamente as perguntas do LIDE. Como motivar as pessoas a votarem? Esse tem sido o mote da nossa campanha. A crise da democracia: tenho uma PEC na Câmara Federal das Candidaturas Avulsas. Turismo: a base da retomada econômica da nossa cidade. Empreendedorismo: Escola do Empreendedorismo poderá nos tornar a capita nacional do empreendedorismo. Lixo: Temos a proposta do Lixo Zero em Porto Alegre. E como eu quero ser lembrado daqui a 30 anos? Como o prefeito que devolveu a cidade para o os porto-alegrenses”, finalizou João Derly.

shares
× Fale comigo no WhatsApp!